quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Primeiras Impressões: Blade Runner 2049

Para comentar o filme, fotografei com o cartaz no Caixa Belas Artes, a quem agradeço
pelo espaço e pelo patrocínio.

HABEMUS OBRA-PRIMA !
1 - É primordialmente aqui o caso de dizer que: raríssimas vezes, mas raras assim desde que o mundo é mundo, você vai assistir um filme que toma uma obra-prima anterior ("Blade Runner", de Ridley Scott), parte dela e, mesmo (literalmente) ajoelhando em adoração, encontra uma forma de, atraindo (feito um imã) todos os seus ideais, dilatá-la e levar seu gênero (aqui a ficção científica) a profundas camadas cavalares de texto, estética e experiência. Só por essa razão já me fez sair fora desse mundo da sala do Caixa Belas Artes.
2 - Denis Villeneuve equaciona diversos tributos, compõe a mise-en-scène como um "Ludwig van Beethoven" ou similar, e atinge um resultado memorável. Não há, em " BLADE RUNNER 2049 " uma nota, nem fora, nem a menos, nem a mais. Daquilo que move o personagem de Ryan Gosling, passando pelo santuário/aberração que é o futuro alcançado pela realidade de mundo, da qual "Blade Runner" emerge, ao tom com que Harrison Ford transforma "Blade Runner" num monumento (se é que faltava mais alguma coisa para esse filme ser um monumento), as quase 3 horas desse filme fazem Denis Villeneuve colher sua segunda obra-prima, depois de "Incêndios", ou a terceira, depois de "A Chegada"; deixo a encargo de cada um decidir!
Corram para os cinemas, corram!

Instagram Oficial: @daniel_serafim_mais_cinema
Perfil Oficial: facebook.com\dsmaiscinema - Daniel Serafim

MAIS CINEMA! A GENTE SEMPRE QUER MAIS, DAQUILO QUE A GENTE AMA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário